Cidades

A cidade hippie de Christiania

A cidade hippie de Christiania

Em 1971 uma área militar abandonada no bairro de Christianshavn, na capital dinamarquesa de Copenhague, foi invadida e convertida em uma “cidade livre” – uma comunidade autônoma autoproclamada e executando suas próprias leis independentes do governo. O conceito de propriedade coletiva e de bem estar comum, com o comércio livre de maconha e outras drogas, atraiu multidões de hippies que fixaram residência permanente nesta área de 34 hectares.

Ao longo dos anos, “A Cidade Livre de Christiania” tornou-se uma característica permanente na cidade de Copenhague. Christiania continua sendo um centro vibrante da cidade, com uma miscelânea de armazéns, cabanas e casas, murais coloridos e esculturas ao ar livre. Cerca de mil pessoas vivem ali permanentemente.

A área de Christiania inicialmente consistia em um imenso quartel militar e abrigava o Royal Artillery Regiment e o lugar foi abandonado entre 1967 e 1971. Depois que os militares saíram, os desabrigados invadiam o lugar e posteriormente moradores da vizinhança quebraram o muro para utilizar parte da área como um parque infantil para seus filhos e em 26 de setembro de 1971, Christiania foi declarada cidade livre pelo jornalista Jacob Ludvigsen e um grupo de hippies e posseiros se mudou e criou uma pequena comunidade com uma arquitetura peculiar nos arredores dos antigos prédios militares restaurados.

Os moradores declararam a área livre do poder do Estado, prometendo não pagam impostos, criando sua própria bandeira e abrindo bares, cafés, mercearias, museus, galerias de arte e locais de música ao estilo deles. A maior atração do lugar é Pusher Street, onde haxixe e maconha eram vendidos abertamente em bancadas permanentes até 2004 e houve muita discursão sobre o assunto, uns querendo a liberação total das ervas, enquanto outros ficaram preocupados com o futuro de uma das principais atração de Copenhague. Mas, mesmo com a repreensão ao tráfego de drogas pela polícia, o mercado da Cannabis continua em Christiania.

freetown-christiania-013

A comunidade atualmente é parcialmente regulamentada, com alguns membros pagando impostos, contas de água, eletricidade e coleta de lixo ao município, mas continua tendo um conjunto próprio de regras, independente do governo dinamarquês. As regras proíbem o roubo, violência, armas, facas, coletes à prova de balas e drogas pesadas. O terreno pertence ao Ministério da Defesa e depois de um acordo, a comunidade em 2012, criou um fundo para a compra da área.

Christiania é considerada a quarta maior atrações turísticas em Copenhague, com meio milhão de visitantes anualmente. Os visitantes são bem-vindos para passear em Christiania e para comer e beber em cafés, restaurantes e bares da área. Há música ao vivo e outros eventos ao ar livre, centros de meditação e um par de casas noturnas para se divertir.

freetown-christiania-002

A infame Pusher Street, onde câmeras não são permitidos | Crédito da foto

freetown-christiania-006

Venda de haxixe | Crédito da foto

freetown-christiania-012

Fontes:  1 2

Postagens pelo mundo:

Visualização: 467 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Cidades

Mackinac Island, a ilha que proibiu os carros

Magnus Mundi1 de abril de 2019

Sunken Cemetery, na ilha de fogo

Magnus Mundi2 de janeiro de 2019

Craco, uma cidade italiana abandonada

Magnus Mundi30 de dezembro de 2018

Berlim, antes e o depois de uma cidade destruída

Magnus Mundi25 de dezembro de 2018

Cidadela de Erbil, a cidade de seis mil anos

Magnus Mundi18 de novembro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Carmel, a cidade de contos de fadas

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up