Cidades

A cidade hippie de Christiania

A cidade hippie de Christiania

Em 1971 uma área militar abandonada no bairro de Christianshavn, na capital dinamarquesa de Copenhague, foi invadida e convertida em uma “cidade livre” – uma comunidade autônoma autoproclamada e executando suas próprias leis independentes do governo. O conceito de propriedade coletiva e de bem estar comum, com o comércio livre de maconha e outras drogas, atraiu multidões de hippies que fixaram residência permanente nesta área de 34 hectares.

Ao longo dos anos, “A Cidade Livre de Christiania” tornou-se uma característica permanente na cidade de Copenhague. Christiania continua sendo um centro vibrante da cidade, com uma miscelânea de armazéns, cabanas e casas, murais coloridos e esculturas ao ar livre. Cerca de mil pessoas vivem ali permanentemente.

A área de Christiania inicialmente consistia em um imenso quartel militar e abrigava o Royal Artillery Regiment e o lugar foi abandonado entre 1967 e 1971. Depois que os militares saíram, os desabrigados invadiam o lugar e posteriormente moradores da vizinhança quebraram o muro para utilizar parte da área como um parque infantil para seus filhos e em 26 de setembro de 1971, Christiania foi declarada cidade livre pelo jornalista Jacob Ludvigsen e um grupo de hippies e posseiros se mudou e criou uma pequena comunidade com uma arquitetura peculiar nos arredores dos antigos prédios militares restaurados.

Os moradores declararam a área livre do poder do Estado, prometendo não pagam impostos, criando sua própria bandeira e abrindo bares, cafés, mercearias, museus, galerias de arte e locais de música ao estilo deles. A maior atração do lugar é Pusher Street, onde haxixe e maconha eram vendidos abertamente em bancadas permanentes até 2004 e houve muita discursão sobre o assunto, uns querendo a liberação total das ervas, enquanto outros ficaram preocupados com o futuro de uma das principais atração de Copenhague. Mas, mesmo com a repreensão ao tráfego de drogas pela polícia, o mercado da Cannabis continua em Christiania.

freetown-christiania-013

A comunidade atualmente é parcialmente regulamentada, com alguns membros pagando impostos, contas de água, eletricidade e coleta de lixo ao município, mas continua tendo um conjunto próprio de regras, independente do governo dinamarquês. As regras proíbem o roubo, violência, armas, facas, coletes à prova de balas e drogas pesadas. O terreno pertence ao Ministério da Defesa e depois de um acordo, a comunidade em 2012, criou um fundo para a compra da área.

Christiania é considerada a quarta maior atrações turísticas em Copenhague, com meio milhão de visitantes anualmente. Os visitantes são bem-vindos para passear em Christiania e para comer e beber em cafés, restaurantes e bares da área. Há música ao vivo e outros eventos ao ar livre, centros de meditação e um par de casas noturnas para se divertir.

freetown-christiania-002

A infame Pusher Street, onde câmeras não são permitidos | Crédito da foto

freetown-christiania-006

Venda de haxixe | Crédito da foto

freetown-christiania-012

Fontes:  1 2

Postagens pelo mundo:

Visualização: 430 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Cidades

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Carmel, a cidade de contos de fadas

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

The Wall, a estrutura contra o vento de Fermont

Magnus Mundi19 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Tianducheng: A falsa Paris na China

Magnus Mundi10 de fevereiro de 2018

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017
Scroll Up